Google+ Badge

Google+ Followers

Se você procura um serviço de tradução português-espanhol profissional e de máxima qualidade, podemos ajudar-lhe...

quarta-feira, 18 de março de 2009

George Soros - A crise atual e o que ela significa.




“Um assunto de que economistas querem distância”.
Valor Econômico - São Paulo
24/04/2008

A teoria da reflexividade, assunto recorrente nos escritos de George Soros, não se qualifica como ciência, por que não provê explicações deterministas e predições. Constitui apenas uma estrutura conceitual para a compreensão de eventos de que humanos participam. No livro, Soros dedica um capítulo inteiro à explicação da teoria, que pode ser entendida, como ele diz, como uma "teoria da história" de uso amplo, inclusive em assuntos financeiros.

Por que o conceito de reflexividade não obteve reconhecimento generalizado? No caso dos mercados financeiros, Soros diz saber a resposta: "A reflexividade impede os economistas de produzir teorias que poderiam explicar e predizer o comportamento dos mercados do mesmo modo que cientistas naturais podem explicar e predizer os fenômenos naturais", afirma. "Para estabelecer e proteger o status da economia como ciência, os economistas fizeram de tudo para afastar a reflexividade dos assuntos de seu interesse".

A reflexividade é usada em lógica como relação que um objeto tem consigo mesmo. Soros a usa para descrever uma conexão de duas mãos entre o pensamento dos participantes de uma situação (como os agentes do mercado e autoridades econômicas e reguladoras) e a própria situação de que participam. Situações reflexivas são caracterizadas por falta de correspondência entre os pontos de vista dos agentes e o estado real dos acontecimentos.

A compreensão de determinada situação e a participação nessa situação envolve duas funções diferentes. Na função cognitiva, as pessoas procuram compreender o mundo em que vivem. Na função manipulativa, pretendem modificar os fatos em seu benefício. Se as duas funções fossem isoladas uma da outra, poderiam servir a seus propósitos: o entendimento dos agentes equivaleria a informação e suas ações levariam aos resultados desejados. "Mas esse é um pressuposto da teoria econômica que não se justifica, exceto em circunstâncias muito excepcionais", diz Soros. "Pode ser assim entre cientistas sociais empenhados na obtenção de conhecimento, mas não entre participantes de eventos que os cientistas sociais estudam. Cientistas sociais, particularmente os economistas, tendem a ignorar esse fato."

Quando as duas funções estão em operação simultânea, interfere uma na outra e os fenômenos envolvidos não consistem apenas em fatos e informações objetivas, mas também em intenções e expectativas a respeito do futuro - contingenciado pelas decisões dos próprios participantes. Estes buscam compensar a insuficiência de informações com suposições baseadas em experiência, instinto, emoções, rituais e, assim, incorrem em equívocos.

Tome-se o mercado de ações, por exemplo. As pessoas compram e vendem ações imaginando preços futuros, mas esses preços estão sujeitos a influências das expectativas dos investidores. As expectativas não podem ser qualificadas como informação. Na ausência de informação suficiente, os participantes precisam introduzir um elemento de julgamento ou viés em seu processo de decisão. Como resultado, os resultados provavelmente divergirão das expectativas.

Os pontos de vista tendenciosos e os equívocos dos participantes introduzem a incerteza no curso dos eventos. Reconheçam isso ou não, os participantes são obrigados a agir com base em crenças que não têm raízes na realidade. "Interpretações errôneas da realidade e outros equívocos desempenham papel muito maior na determinação do curso dos eventos do que é geralmente reconhecido", diz Soros. "Esse é o principal novo 'insight' que a teoria da reflexividade oferece. A atual crise financeira é um exemplo persuasivo disso."

“A incerteza inerente à conexão reflexiva entre as funções cognitiva e manipulativa não pode ser eliminada", diz Soros, "mas nossa compreensão e capacidade para lidar com tal situação seriam bastante melhoradas se reconhecêssemos esse fato".
Fiquei particularmente impressionado com a sua Teoria da Reflexividade para explicar a razão pela qual os mercados financeiros apresentam graves crises de tempos em tempos. Essa sua teoria guarda muitas semelhanças com a incerteza Keynesiana. Isso porque a incerteza Keynesiana é uma situação na qual os agentes econômicos não conseguem “descobrir” a distribuição objetiva de probabilidades que regula os resultados dos processos econômicos, pois as decisões de produção e investimento tomadas por esses agentes mudam o ambiente econômico ao serem implementadas, tornando assim não-estacionárias as distribuições objetivas de probabilidade. Nesse contexto, a convergência da distribuição subjetiva para a distribuição objetiva de probabilidades é impossível, de tal forma que um equilíbrio com expectativas racionais torna-se um resultado inalcançável pelos agentes econômicos (Davidson, 1988).

Vejam o que Soros diz a respeito das expectativas racionais:

“Eu sustento que a teoria das expectativas racionais interpreta de modo totalmente errado o funcionamento do mercado financeiro. Embora tal teoria já não seja levada a sério fora dos círculos acadêmicos, a idéia de que os mercados financeiros se corrigem por si mesmos e tendem ao equilíbrio continua a ser o paradigma em que se baseiam os vários instrumentos e modelos de cotação artificiais que adquiriram papel dominante nos mercados financeiros. Sustento que o paradigma vigente é falso e precisa urgentemente ser substituído”.
(2008, p30).

“Nem tudo o que pode ser contado conta, e não tudo o que conta pode ser contado” A. Einstein. -
Se procura um serviço de máxima qualidade e profissionalidade, podemos ajudar-lhe